quarta-feira, 29 de abril de 2015

O pedido de namoro!

Eu tinha em mente que, antes de se iniciar um namoro, era pré-requisito longos meses de amizade e, praticamente, estava fazendo disso uma regra em minha vida. Mas Sam quebrou essa regra, rs. Foram exatos 29 dias, desde a nossa primeira conversa virtual até o pedido de namoro. Há quem diga que foi muito rápido (não discordo, rsrs), porém, para nós dois, foi tempo suficiente para a decisão de iniciarmos um namoro. Na verdade, não existe regra que determine a partir de quanto tempo já se pode começar um namoro. No meu caso, o que considerei bastante foi o bom testemunho que as pessoas davam a respeito dele na igreja. Como ele já fazia parte de uma mesma igreja há 6 anos, sempre que as pessoas se referiam à pessoa dele, diziam que ele era muito querido, amado, engraçado (concordo! rsrs). Eu podia perceber o carinho de muitos para com ele. E isso, de certa forma, me tranquilizava.

Então, indo para o que interessa (rsrs), o pedido de namoro veio na nossa quarta saída juntos. Fomos fazer um lanche. Era uma sexta-feira, 27 de Junho de 2014. Decidimos, após o lanche, dar uma passadinha no volei para ver o pessoal jogando. Enquanto lanchávamos, ele me olhava e me olhava (acho que já estava arquitetando em que momento me faria o pedido, rsrsrs). E eu estava com tico e teco: "Por que será que ele me olha tanto?", "Será que ele já vai me pedir em namoro hoje?", "Acho que não...", "E se for?", "Eu já vou voltar pra casa hoje em um relacionamento sério?! rsrsrs". Enfim, mil e um pensamentos. Até que veio, no meio do lanche (quase no fim), o pedido: "Você quer namorar comigo?!" 

Uau! Não sabia o que falar nos primeiros 30 segundos após o pedido. Foi engraçado, rsrs. Engraçado porque foi assim no meio do nosso lanche que tudo aconteceu e engraçado porque eu já sabia que resposta daria (afinal, ninguém sai 3 ou 4 vezes com um rapaz sem estar interessada, pelo menos espera-se que não, né?) mas não queria dá-la ali. Foi aí que eu disse: "Posso te dar a resposta quando sairmos daqui?" rsrsrs. Maldade?! Ahhh... não foi intencional, gente. Só queria ir para outro lugar. Pra calçadinha da praia, um lugar mais sossegado. Aí saímos do lanche (acho que ele estava um pouquinho ansioso, rsrsrsrs). Lembro que eu olhava pra ele e ele olhava rapidamente pra mim (porque ele estava dirigindo) e houve mais silêncio do que nunca. Ele disse que nunca se demorou tanto chegar na calçadinha (detalhe: estávamos lanchando a 2 ou 3 quadras da praia, rsrs). E quando chegamos, eu disse: "Me pergunta de novo..." rsrs. Ele perguntou e eu prontamente respondi "sim, eu quero". 

Foi assim, simples, sem nada muito pomposo, mas muito especial! Estávamos, ali, iniciando um namoro e assumindo um relacionamento. Confesso que, naquele momento, não tinha a certeza de que seria algo duradouro (embora desejasse que sim), mas via nele alguém que já me cativava. Hoje, já estamos caminhando para o nosso 11º mês juntos. E posso afirmar: tenho todas as certezas do mundo! Pois entendo que o Senhor reservou ele pra mim.

**********

Próximo post: Fotos do nosso primeiro mês de namoro


segunda-feira, 27 de abril de 2015

Como Sam Markus me conheceu (narrado por ele)

Olá gente! Estou de volta para dar continuidade à #nossahistoriaregistrada. Para quem ainda não leu o post passado, aí está! É só clicar e ler: Como conheci Sam Markus. Pois bem, dessa vez, ele escreveu. Isso mesmo. O que vem a seguir são as impressões dele sobre a nossa fase de conhecimento. Confiram!

*****
Dizer como conheci Kalena é uma tarefa fácil e ao mesmo tempo difícil rsrs, porque falar sobre como nos conhecemos é falar de como conheci uma pessoa maravilhosa e serva do Senhor (só por essa característica fica fácil querer se aproximar dela).  

Mas vamos lá, no começo de 2014 ela começou a frequentar nossa igreja (não sou muito bom em datas) e eu estava passando por um processo de transição, deixando a liderança da mocidade da igreja. Logo, como um bom líder (rsrsrs), procurei saber quem era aquela nova visitante. Sempre perguntava ao meu amigo quem era aquela visitante (sem nenhum interesse, claro :p).  

Com o passar dos meses, a aproximação foi naturalmente acontecendo, onde fomos apresentados e eu sempre chamava ela para os eventos da igreja (sem nenhum interesse, claro :p) e ela sempre tinha compromissos, viagens marcadas, aí comecei a procurar por ela nas redes sociais (sem interesse algum :p). Foi aí onde tivemos nossa primeira conversa, e eu continuei convidando para os eventos. Até que, um dia, ela apareceu na praia onde jogávamos toda semana (agora não sei se houve interesse, rsrs). Detalhe: quando ela chegou, eu estava jogando; e eu fiz de tudo para o meu time perder (rsrsrs), mas naquele dia meu time não perdia de jeito nenhum. Aí depois de muito tempo, consegui perder para termos nossa primeira conversa ao vivo e a cores, daí em diante continuei a chamar ela para os eventos e a convidei para sair (fora dos eventos da igreja). Lembro que chamei ela pra jantar numa sexta-feira e ela disse que ia pensar. Quando foi no sábado, teve o tão esperado jogo de vôlei com o pessoal da igreja e ela não foi. Não sei o que houve, mas deixei meu celular no carro. Quando terminou o jogo, que entrei no carro, vi uma mensagem dela perguntando se o meu convite ainda estava de pé, daí "eu disse que iria pensar" (brincadeira, rsrsrs). Eu disse “lógico que sim!”. Corri pra casa (agora sim com interesse, rsrsrs). Saímos nesse dia e conversamos bastante sobre várias coisas. 

Quando deixei ela em casa já fiz o convite (não necessariamente nessa ordem) para ver um filme que por coincidência estava passando (A Culpa é das Estrelas) e ela (aí acho que com interesse também, rsrs) topou. Eu costumava sair com meus amigos toda semana para o cinema, só que sempre assistíamos filmes de suspense, ação, aventura, muito tiro, essas coisas, filmes que sempre gostava muito. Fui assistir com ela "A Culpa é das Estrelas" e acreditem, foi o melhor filme que já vi. Além do filme realmente ser muito bom, foi o melhor porque, nele, pela primeira vez, tive a melhor companhia em um filme. Nós rimos, nos divertimos e... (agora com muito interesse) comecei a ver a incrível e linda mulher, que o Senhor colocou na minha vida. 

Daí em diante, com total interesse, completamente interessado (como desde o começo), começamos a nos ver mais, a conversar mais, e eu pude perceber a joia preciosa, o melhor presente que recebi do Senhor, que se chama Kalena. Sou grato a Deus pela sua imensa bondade que fez com que ela, ao sair de sua antiga igreja, viesse parar perto de mim...

Sam Markus.

*****
Próxima postagem: O pedido de namoro!

Em um dos eventos da igreja, antes de iniciarmos o namoro. (01.06.2014)




sexta-feira, 24 de abril de 2015

Como conheci Sam Markus

Bom, tudo aconteceu muito rápido (embora ele não ache, rsrs). Fiz parte de uma igreja por muitos anos, mais precisamente durante 11 anos. Minha adolescência e parte da juventude vivi lá. Até o dia que saí (conversei com meu pastor e saí em paz. Faço questão de frisar esse detalhe, devido à importância que dou a questões como essas). Pois bem, continuei orando, pedindo orientação ao Senhor a respeito do novo local em que deveria congregar com meus novos irmãos em Cristo, porque não queria passar muito tempo de igreja em igreja para decidir. E louvo a Deus por ter me permitido entender o direcionamento Dele! 

Cheguei na nova igreja em Dezembro de 2013 (Sam se espanta até hoje quando digo que entrei na igreja nesse período, afinal, não nos conhecemos logo de cara, rsrsrs) e só quatro meses depois nos “conhecemos”. Aquele conhecimento de saber que a outra pessoa existe e só (vocês devem saber como é, rs). Foi assim, a princípio. Eu estava numa fase da minha vida que não estava buscando mais me relacionar com ninguém nesse sentido (por alguns motivos). Ou seja, eu estava sossegada. Mas meu coração não ficou sossegado por muito tempo, rsrs. Começamos a trocar cumprimentos na igreja: “oi”, “tchau”, “bom dia”, “tudo bom”. Não passava disso. Foi virtualmente que nos aproximamos mais nas conversas (paradoxo né? Eu sei. Mais uma vez a internet aproximando pessoas em seus primeiros contatos). 

Exatamente no dia 30/05/2014 dei o primeiro “olá” virtual. (Agora não me recordo muito bem, mas acho que ele me adicionou no facebook e não conversou comigo rsrsrs, então eu dei o primeiro “oi”). A partir daí, foram algumas conversas online e três saídas antes de iniciarmos o namoro (que será tema do próximo post).

Ah, não posso deixar de falar algo engraçado que foi quando ele me chamou para sair pela primeira vez (era uma sexta à noite) e eu disse que iria pensar. Fiquei pensando até à tardinha do outro dia! Kkkkkkk. Tadinho, quase perdia as esperanças. Quando foi +- às 16:00h do sábado eu passei uma mensagem dizendo que aceitava sair com ele. E aí saímos naquela noite. Bom gente, não falo isso querendo me promover (quem me conhece sabe) mas em nenhuma de nossas saídas antes do namoro houve a tão famosa e comum “ficada”. Sim, eu me orgulho (no bom sentido) de falar isso pois sei que o que falo pode servir para muitos adolescentes e até mesmo jovens que leem este blog e que estão nessa fase de conhecimento mútuo e acham que não é possível sair para apenas conversar e dar boas risadas com aquela pessoa que pode ser seu namorado ou sua namorada em breve. Digo que é possível sim, tanto é como foi! Cada fase deve ser bem vivida e não devemos desonrar o nome do Senhor em nenhum momento, pois vivemos para a glória Dele.

Nossa primeira conversa virtual.