segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O que a vida e a morte do Dr Russell Shedd implicaram em minha vida?

Vejo que esse acontecimento está sendo repercutido de muitas formas por aí a fora. Mas aqui, por se tratar de um blog pessoal, quero expor o que implicou para mim a vida e a morte deste homem que foi o Dr Shedd.

Inicialmente, só o conhecia de ouvir falar, até os meus olhos o verem ao vivo e a cores. Fui começando a admirá-lo, pois fui percebendo que a humildade, o carisma, a mansidão, a sabedoria, a inteligência, a expectativa do céu eram características extremamente marcantes naquele homem.

O vi pregar em algumas Consciências Cristãs, tive a oportunidade de vê-lo ministrar um estudo das epístolas de Pedro em umas das igrejas aqui da cidade, de ouvir suas devocionais nos Congressos da JUVEP. Enfim, foram dezenas de oportunidades que, não só hoje, mas ao final de cada uma delas, agradecia a Deus o privilégio de aprender mais com aquele servo do Senhor.

Até que tive o privilégio de servi-lo, durante 4 dias! Lembro-me que foi uma semana na qual ele foi convidado pelo Seminário da JUVEP para dar aulas sobre o Novo Testamento. E na ocasião, pude conduzi-lo até sua sala de descanso, durante os intervalos, depois para a sala de aula novamente, por repetidas vezes, além de conversamos um pouco sobre a plantação de cana de açúcar que era possível ser vista da janela de sua sala de repouso. Enfim, eu estava tão grata a Deus por poder estar servindo de alguma forma àquele irmão que tanto tinha feito e estava fazendo para o Reino de Deus, não só no Brasil, mas no mundo!

Depois disto, há dois dias, na Colação de Grau dos formandos do Seminário da JUVEP, ouvi a dra. Bábara Burns (amiga do casal Shedd há 50 anos) confirmando todas as minhas percepções e impressões a respeito dele, desde a primeira vez que o vi e ouvi: humildade, generosidade, sabedoria, inteligência, etc.

E ontem, ao ouvir a pregação do meu pastor, no culto, resolvi escrever este post. Na verdade, o que me motivou de fato foi a pregação que ouvi ontem, mais do que o fato do nosso irmão Shedd ter descansado no Senhor.

A vida do dr. Russell Phillip Shedd me instigou a buscar aprender mais do Senhor Jesus e da sua palavra e a viver de modo digno do Evangelho. Mesmo nos últimos dias de sua vida, foi "capaz" de afirmar que estava sendo uma experiência muito boa, em que estava se desmamando do mundo e pronto pra subir. Coloquei capaz entre aspas, porque quem o capacitou foi o Espírito Santo, através de sua fé inabalável naquilo que é ETERNO! Ele citou 2 Coríntios 4:16-17"Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente" e também 1 Pedro 4:13: "Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis".


A morte do Dr Shedd me fez refletir ainda mais sobre a segurança de crente em Cristo Jesus, na sua morte e ressurreição. Essa deve ser a nossa esperança! Porque "se esperamos em Cristo apenas nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens"! Dr Shedd, mesmo em vida e com saúde, desejava o céu. E mesmo no leito da enfermidade, continuava desejando o céu! 

Desejar o céu não significa desejar a morte, significa que, enquanto isso não acontece, continuaremos servindo ao Senhor com todo o nosso coração e com toda a nossa força!

"Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor". (I Co 15:58) 


sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Como apresentar o Evangelho aos meus filhos?

O Evangelho é simples e deve ser apresentado com simplicidade. Em que momento? Os pais têm os melhores anos da vida da criança para explicar, enfatizar, ensinar e reafirmar as verdades do Evangelho. O que os pais não podem fazer é acharem que outra pessoa pode apresentar melhor o evangelho e, assim, se esquivar dessa responsabilidade.

Os pais, mais do que ninguém é que deveriam ter todo o tempo do mundo para serem detalhistas, ouvir bem e sem pressa os filhos, corrigi-los quando necessário, ilustrar ensinamentos bíblicos, etc. Isso requer bastante tempo, criatividade, paciência. É um desafio diário. Após um tempo, a melhor alegria deve ser a criança demonstrando algum grau de real entendimento e compreensão do Evangelho. É nesse momento que nós, como pais, segundo o autor, não devemos anular expressões infantis de fé como se fossem insignificantes ou engraçadas. Pelo contrário, os pais devem encorajar todo sinal de fé em seus filhos, sem ridicularizá-los ou menosprezá-los e aproveitar todo oportunidade para ensiná-los mais.

Além de investir tempo (algo bastante difícil hoje em dia), devemos ensinar aos nossos filhos todo o conselho de Deus. Não existe uma menor parcela da verdade de Deus na qual uma pessoa pode crer e ainda assim chegar ao céu. São os pais, mais do que ninguém, que devem resistir a esse pensamento e ser fiéis, constantes e diligentes.

Ainda na mesma ideia, precisamos enfatizar as doutrinas fundamentais do Evangelho. Fazê-los entender que Deus é um Deus Santo; que o mau comportamento não é meramente uma ofensa contra a mãe e o pai, mas, antes do tudo é um pecado contra Deus; que Cristo é eternamente Deus, Senhor de todos, se fez homem, é completamente puro e sem pecado, se tornou sacrifício pelo nosso pecado, derramou seu próprio sangue, morreu na cruz para oferecer um caminho de salvação aos pecadores, ressuscitou triunfantemente dentre os mortos. É possível sim ensinar e explicar tudo isso para uma criança, pois, com a ajuda de Deus, podemos ser pais sábios.

Algo que achei interessante que o autor ressaltou foi que em muitas mentes evangélicas modernas, o ato de orar para convidar Jesus a entrar no coração se tornou praticamente um meio sacramentado de salvação. Se usarmos metáforas para esclarecer alguns aspectos do Evangelho, devemos nos certificar de distinguir com cuidado a metáfora da realidade. Quando, por exemplos, fazemos imagens de corações pecaminosos escuros ou sujos (pelo pecado), ou quando fazemos a criança pensar em Jesus batendo na porta do coração delas, elas tendem a fazer uma interpretação muito literal do que lhes é dito. Essas palavras em forma de imagens, se não forem cuidadosamente explicadas, podem realmente ser um impedimento, em vez de uma ajuda, à compreensão do Evangelho. Talvez muitos de vocês não concordem, mas se a criança sair pensando em termos literais que Jesus está de pé junto à porta do coração, esperando um convite para fixar residência nele, falhamos em tornar o Evangelho claro. Ao invés disso, enfatize o que a Bíblia requer dos pecadores: arrepender-se, desviar seu coração de tudo que desonra Deus, seguir Jesus e confiar nele como Senhor e Salvador.

Para que o texto não fique mais extenso, o autor conclui o capítulo dizendo que muitos pais poderão se sentir desqualificados, ainda mais quando sabem que o caráter e a conduta devem ser compatíveis com o que ensinam. Mas não há mistério, basta lermos Deuteronômio 6:6-7: "Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar".

A tarefa de ensinar é uma ocupação interminável, em tempo integral!

*****************
Se ainda não leu as postagens anteriores, aqui estão:
Parte 1 - Como vou criar meus filhos?
Parte 2 - Se eu for uma mãe negligente...
Parte 3 - Métodos infalíveis para criação de filhos!

*****************

sábado, 12 de novembro de 2016

Aniversário surpresa de novo!!!

Me pegaram de surpresa por dois anos consecutivos! Ano passado, eu estava tão voltada para os últimos preparativos da viagem, que nem desconfiei que estavam preparando uma festa surpresa e de despedida ao mesmo tempo. Dessa vez, quando abro a porta de casa, voltando de uma viagem, encontro meus irmãos, minha mãe e minhas cunhadas lá dentro (mas como, se fechamos a casa para viajar?!! kkkk). Por isso que não havia desconfiado de nada. Que susto levei quando abri a porta (dei até um grito hehehe), postarei tudo no meu canal do youtube em breve!

Vamos começar do começo: antes da nossa viagem de comemoração de 1 ano de casados, Sam preparou tudo e ainda deixou a cópia da chave do apartamento com minha mãe para que tudo pudesse ser organizado. Eu sempre falava pra ele que eu queria uma Nutella grande de presente (gosto pouco de Nutela) rsrs. Ele gravou isso e fez uma brincadeira super legal. Ele encheu a árvore de Natal de cartõezinhos e à medida que ele ia lendo eu tinha que adivinhar quem tinha escrito e a pessoa me dava um dos presentes que estavam em cima da mesa. "Coincidentemente", todos os presentes eram potes de Nutella! kkkkkkk (marido criativo! Amei!).

Foi tudo muito especial e não poderia deixar de registrar aqui esse momento em família. Agradeço a Deus por ter me permitido viver mais um ano, ao meu esposo por ter pensado em cada detalhe e, verdadeiramente, ter feito uma linda surpresa (até as cores das bolas ele escolheu e acertou em cheio), aos meus pais, irmãos e cunhadas (cúmplices, rsrs), aos cunhados, sobrinho e minha sogra (in Italy) pelo carinho e a todos que me parabenizaram de uma forma ou de outra.

Fiquem agora com um pouquinho do que foi essa festinha surpresa!

Him and I

A hora do parabéns!

Mummy!

Cunhadas lindas

Família duplicada! =D

Brothers!

S2

Meus presentinhos hahaha (tem Nutella até 2020! #SQN)

A árvore com os cartõezinhos

sábado, 5 de novembro de 2016

Nossa primeira Árvore de Natal!

Sempre gostei do final do ano. Gosto desse clima natalino, das decorações das casas, das ruas e dos shoppings. As luzes, os enfeites, as cores. Enfim, para mim, é um dos melhores períodos, embora indique também que está findando mais um ano e estamos ficando mais velhos, rsrs. Mas, o que importa? Graças a Deus que tem nos permitido viver mais um ano, não é verdade?!

Estamos completando nosso primeiro ano de casados, e no nosso primeiro Natal não foi possível fazer o que fizemos desta vez: montar a nossa própria Árvore de Natal! Então, como amo registrar momentos especiais, estou registrando mais este. É uma árvore pequena, mas é a nossa árvore, que montamos juntos e foi tudo muito divertido (em breve postarei o vídeo no canal do youtube).

Antes de encerrar esse pequeno post, quero deixar claro que nada disso que citei anteriormente está acima do Verdadeiro sentido do Natal. Como diz o Rev. Hernandes Dias Lopes, precisamos devolver o Natal ao seu verdadeiro Dono! Apesar de todo brilho das luzes, beleza dos enfeites e troca de presentes, não podemos esquecer que o Natal é Jesus Cristo como verdadeiro Senhor da História, da Igreja e das nossas vidas! Sendo assim, não tem Natal sem Jesus, sem as Boas Novas da Salvação.