quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Nossa retrospectiva 2016

E assim foi nosso 2016:

Os primeiros meses de 2016 vivemos fora do nosso país, em terras distantes, mergulhados em outras culturas. Convivemos com povos de diversas nacionalidades, aprendemos um pouquinho dos idiomas dos lugares que moramos, voltamos a ser estudantes, evangelizamos, viajamos, conhecemos alguns lugares fantásticos (Dublin, Belfast, Vaticano, Itália, etc), enfrentei meus medos e atravessei o oceano, passamos horas dentro de um avião, passamos também mais de 16 horas de conexões em aeroportos, passamos frio, tomamos alguns banhos de chuva num inverno de 5 graus, sobrevivemos ao inverno irlandês (para um nordestino isso é uma vitória!), vi fumaça sair pela minha boca de tanto frio que fazia, nos perdemos em nossas andanças, escalamos montanhas, vimos neve pela primeira vez, estivemos num Castelo medieval, andamos de metrô em Roma, vimos o papa Francisco, entramos na Basílica de São Pedro, conheci meus cunhados e sobrinho, sentimos saudades, nos despedimos e retornamos ao Brasil!  

Reencontramos nossos familiares, contamos as novidades da nossa viagem, revimos nossos irmãos da igreja, começamos a organizar nossa casa, criar nossa rotina, pagar contas mensais (pra quem não sabe, na Europa as contas de água, energia e gás não são mensais, algumas são bimestrais e outras trimestrais!), completamos nosso primeiro ano de casados, iniciamos uma rotina mais intensa de afazeres, fizemos check up de saúde, sentimos muita falta do frio, de andar agasalhadinhos, passamos a enxergar a Europa com outros olhos (como um celeiro missionário) e tantas outras coisas!

Em 2 dias, 2016 se findará e o que ficará serão as lembranças de um ano vivido intensamente. Um ano desafiador, que nos fez aprender que, com a graça de Deus, podemos ampliar nossos horizontes e desbravar um mundo além do nosso "metro quadrado". Mais do que isso, nos ensinou que o momento certo é aquele no qual estamos dispostos a encarar os possíveis desafios que serão impostos, dando o nosso melhor, sempre em conformidade com a vontade de Deus!

2017 vem aí! Que possamos vivê-lo intensamente, para a glória de Deus!

"Todavia, não me importo, nem considero a minha vida de valor algum para mim mesmo, se tão-somente puder terminar a corrida e completar o ministério que o Senhor Jesus me confiou, de testemunhar do evangelho da graça de Deus". (Atos 20:24)

Feliz Ano Novo!



sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Colação de grau de Sam!

Quando conheci Sam ele ainda estava na universidade. Devido a muitos imprevistos ao longo da caminhada, ele ainda não havia concluído seu curso. Mas, aos poucos, fomos nos organizando e ele conseguiu entregar o pré-projeto do trabalho de conclusão de curso. No semestre seguinte, com a universidade em greve, nos casamos e viajamos! Quando retornamos, descobrimos que o prazo limite para ele ter concluído o curso (já considerando todos os trancamentos) tinha sido aquele período que havia passado! E agora?! Ele solicitou à Reitoria uma prorrogação de curso para que pudesse, ao menos, entregar seu TCC, que era a única coisa que faltava. Esperamos quase dois meses para saber se o pedido tinha sido deferido ou não. E graças ao bom Deus, foi deferido! Então, agora era correr contra o tempo, pois ele tinha apenas pouco mais de 2 meses para ir em busca de um orientador e concluir todo o trabalho. Foi matando um leão por dia que conseguimos ir avançando até o tão esperado dia da defesa do trabalho, dia 5 de Dezembro de 2016. E assim foi! Ele apresentou e foi aprovado! E aqui quero tornar pública minha gratidão ao Senhor por ter me permitido estar ao lado de Sam durante a conclusão de mais esta etapa. Agradecer também a minha sogra pelas orações, pois também sei o quanto para ela é uma alegria ver o filho concluindo de vez esta etapa! 

"Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios". (Salmos 103: 1-2)

E nada melhor do que uma boa foto para registrar este momento tão especial em nossas vidas!


quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Obediência, castigo, correção | Faça o que eu digo, não faça o que eu faço - parte 1

O autor inicia com a seguinte afirmação: "O fato de ensinar o Evangelho aos filhos de modo algum exime os pais da responsabilidade de educá-los para as questões não religiosas da vida".

Agregada a essa afirmação está a ideia de que não adianta ensinar a nossos filhos uma sabedoria profunda e depois levar uma vida que contradiz o que estamos ensinando. Assim foi Salomão, deu sábias instruções para seu filho, mas o seu exemplo anulou seus conselhos, pois sua vida era incoerente com seus ensinamentos. E não existe erro maior que um pai ou uma mãe possa cometer.

Precisamos lembrar que tanto a sabedoria prática quanto a espiritual estão intimamente ligadas, portanto, o foco adequado de toda a nossa instrução é sempre Cristo!

Então vamos lá ver 10 princípios presentes do Livro de Provérbios que nós como pais (e futuros pais) poderemos transmitir para os nossos filhos. Para que o post não fique muito longo, iniciarei com os 3 primeiros:

1) Ensine seus filhos a temerem o Deus deles: o temor ao Senhor não tem nada a ver com covardia ou medo, mas reverência e temor de desagradá-Lo! Somos apenas intermediários com a responsabilidade de ensinar nossos filhos a temerem a Deus. Se os nossos filhos crescerem temendo apenas desagradar a nós pais, mas não a Deus, o que eles farão quando não estivermos presentes? Poucas crianças hoje crescem com essa consciência...

2) Ensine seus filhos a protegerem suas mentes: monitorem o que eles veem e ouvem, principalmente nessa era da internet, não os deixe simplesmente soltos; não entregue o controle remoto da televisão e saia da sala. Não há problema em que eles tenham autonomia para escolherem o que querem ver, mas não deixe que eles façam essas escolhas totalmente livres de supervisão, pois somos nós que temos a responsabilidade de ajudá-los e direcioná-los para o que edifica e para longe do que não edifica. Lembrando que, por outro lado, o isolamento total também não é a solução, pois nenhum nível de isolamento poderá manter o coração de nossos filhos livre de qualquer tipo de contaminação. É preciso que os criemos para serem sábios e para terem discernimento. De nossos pensamentos vem nossa conduta. Por isso, nosso papel enquanto pais é de ajudar a programar a mente de nossos filhos com a verdade, bondade, fidelidade, honestidade, integridade, lealdade, amor e outras muitas virtudes.

3) Ensine seus filhos a obedecer aos pais: os pais precisam ensinar obediência aos filhos. Isso é uma das responsabilidades mais básicas e óbvias. Isso envolve disciplina e, quando necessário, castigo e correção. "Quem se nega a castigar seu filho não o ama; quem o ama não hesita em discipliná-lo"(Provérbios 13:24). É importante destacar que os pais que administram castigo por pura fúria ou irritação, e não por amor, não encontram apoio para esse tipo de atitude em qualquer parte da Bíblia. O autor chega a afirmar que rotular o mau comportamento crônico com um nome clínico e usar isso como uma desculpa para atitudes pecaminosas é um grave erro. Dificuldade no aprendizado não é um problema moram, propriamente dito. A desobediência, crueldade com outras crianças e o desrespeito pelos adultos, sim! Não importa quais sejam os motivos para a má conduta da criança, a rebelião e a desobediência são definitivamente uma doença moral - o pecado!

Continuamos os outros princípios no próximo post...
Até logo!

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Primeiro Natal no Brasil depois de casados!

Nem parece que passamos o último Natal tão distante, do outro lado do oceano! Foi um Natal diferente, mas muito especial! Estávamos recém casados, num outro país, longe dos familiares, inseridos em outra cultura, longe na nossa igreja e dos amigos. Apesar disso tudo, foi uma experiência incrível vivenciar o "clima" natalino, associado a um clima temperado de 5 graus, às vezes 1 grau (como foi no final de ano) e até mesmo temperaturas negativas, durante as madrugadas.

Nesse nosso primeiro Natal, não tivemos a oportunidade de decorar nossa casa, nem montar nossa própria árvore. Mas pudemos ver lindas e imponentes árvores de Natal, pelas enormes e compridas janelas das casas, quando andávamos pelas ruas do bairro onde morávamos. Não só isso, mas descobrir que eram árvores naturais! Pinheiros de verdade! Que mágico!

Hoje, há oito meses de volta ao Brasil, tivemos a oportunidade de montar nossa primeira árvore e decorar nossa casa para o Natal. E que venham muitos e muitos Natais, com a graça de Deus e que sempre possamos comemorá-los em família, agradecendo a Deus por Jesus Cristo!

Confiram o resultado da montagem da nossa primeira árvore de Natal! Quem sabe a próxima não será um pinheiro de verdade?!! rsrsrs